INCLUDES_HEADER
Busca:
BANNER_TOP_960

Categoria Arquivos: Inflação 2010

Dicas para manter seu negócio rentável durante a crise


Recessão é uma palavra que golpeie o medo no coração de muitos pequenos empresários e investidores, e por boas razões. Os relatórios indicam que o número de falência de pequenas empresas aumentou drasticamente durante a recessão recente, e muitos ainda estão em processo de recuperação de insolvência devido à folga econômica.

Apesar de uma recessão certamente diminui a demanda global de produtos, porque os consumidores têm menos dinheiro para gastar, há algumas empresas em quase todos os setores que encontrar uma maneira de não apenas sobreviver, mas prosperar durante estes tempos difíceis financeiros. Os profissionais da http://www.realbusinessrecovery.co.uk  recomendar aderindo às seguintes dicas para garantir que sua empresa continua no caminho do progresso e rentabilidade em qualquer recessão:

Quando as pessoas têm menos dinheiro para gastar eles tendem a fazer compras em torno com controlo muito mais, como eles querem obter o melhor valor para seu fanfarrão. Assim, é absolutamente imperativo para definir a si mesmo para além da embalagem, tornando seus produtos e serviços como atraente e acessível possível. Contrário à crença popular, ganhando um maior lucro por transação não é sempre mais benéfico, como o pessoal no ponto real de Empresas de Recuperação para fora – a empresa que está disposta a ter um lucro menor é frequentemente recompensado com taxas de conversão muito mais elevados e uma base maior de clientes .

Mas melhor do que competir com os preços é colocar seu serviço em uma classe por si só, por isso é difícil comparar o que você oferece. Um motorista de táxi fez isso através da oferta de passageiros café ou um refrigerante. Ele tinha um refrigerante e um térmica grande. Sua cabine foi limpo. Ele tem um monte de novos negócios e ótimas dicas.

Porque a demanda para cada produto / serviço diminui durante uma recessão, torna-se essencial para diversificar a sua oferta a fim de maximizar a quantidade de renda que você é capaz de gerar a partir de cada cliente. Em outras palavras, seu trabalho como um proprietário do negócio deve ser fazer as suas ofertas tão abrangente e inclusivo possível. Por exemplo, um paisagista habilidoso com as ferramentas certas, provavelmente, beneficiar-se-venda de serviços de propriedades adicionais de manutenção (ou seja, – lavagem sob pressão, a remodelação / renovação, pintura etc) à sua base de clientes existente. Assim como é importante para diversificar a oferta, também é aconselhável para começar a canalizar a sua receita em investimentos estáveis, tais como metais preciosos e itens de demanda no varejo que podem ser revendidos para o lucro.

Mesmo que seus serviços já estão em alta demanda, você pode lançar campanhas publicitárias agressivas ao primeiro sinal de uma recessão que se avizinha, a fim de compensar o número de clientes que você pode perder devido à turbulência econômica. Independentemente do estado da economia global, o sucesso não iludiu Fortune 500 empresas que ocupam nossos aparelhos de televisão com propagandas em uma base regular, porque o público em geral será sempre suscetível a técnicas de marketing eficazes, desde que eles têm até mesmo um pouco de dinheiro para gastar. E durante uma recessão, quando a competição está cortando custos, se você pode vir até com uma campanha de publicidade eficaz que você pode pisar no vazio e ganho de quota de mercado para sua pequena empresa. Então, quando a recessão terminar, você terá ganho em seus competidores que não anunciam. Lembre-se, em uma recessão é ainda mais importante que suas campanhas publicitárias são eficazes e mensuráveis ​​usando coisas como cupons, ou números de rastreamento para que você saiba o quão eficaz são ad seus dólares. Durante uma recessão os gatilhos de compra pode ser diferente do que durante um boom. Mantendo-se com o mais recente e maior é menos importante, a eficiência, poupança e necessidade são mais importantes. Mas, curiosamente, relaxamento e fuga também são grandes vendedores quando o estresse recessão é alta.

Ao comprar o software mais poderoso / hardware disponível pode ser caro, o investimento inicial pode valer a pena, se lhe dá uma clara vantagem sobre a concorrência. Além de dar-lhe uma postura mais competitiva, ser capaz de automatizar / simplificar as tarefas através do uso de tecnologia de computador podem permitir-lhe aumentar a produtividade e reduzir os custos da folha de pagamento, melhorando assim seus lucros para pequenas empresas. Algumas das maiores fortunas do século passado foram iniciados durante a Grande Depressão … o segredo é estar atento às oportunidades e não paralisados ​​pelo medo.

Taxa de juros por País


Esta página tem uma lista de países classificados pela sua taxa de juro de referência. Os bancos centrais conduzir sua política monetária por controle de algumas taxas de juro overnight ou de curto prazo.

Os bancos centrais usar essas taxas para emprestar dinheiro aos bancos comerciais que influenciam as taxas de hipotecas e outros tipos de empréstimos.

Taxas de juros dos bancos centrais são uma das ferramentas mais eficazes para promover o crescimento e manter a inflação dentro de certos limites. Por exemplo, o Conselho de Governadores do Banco Central Europeu tem como objetivo manter a inflação anual abaixo de 2%, enquanto o Conselho de Governadores do Federal Reserve dos EUA tem um duplo mandato de promover o crescimento sustentável e estabilidade de preços.

Ações e mercados de títulos também são influenciados por essas taxas de referência porque as taxas de juros elevadas reduzir o valor presente dos fluxos de caixa futuros, reduzindo a atratividade das oportunidades de investimento.

País Recente 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005
Quênia 18,00 18,00 6,00 7,00 8,50 8,75 10,00 8,07
Venezuela 15,65 15,55 17,89 17,74 17,73 20,21 14,63 14,09
Gana 14,50 12,50 13,50 18,00 17,00 13,50 12,50 15,50
Moçambique 13,50 15,00 15,50 11,50
Mongólia 13,25 12,25 11,00 10,00 14,00 8,40
Nigéria 12,00 12,00 6,25 6,00 9,75 9,50
Paquistão 12,00 12,00 14,00 12,50 15,00 10,00 9,50 9,00
Tanzânia 12,00 12,00 7,58 3,70 15,99 16,89 20,07 19,33
Angola 10,25 10,50 25,00 30,00 19,60 19,60 14,00 95,00
Botswana 9,50 9,50 9,50 10,00 15,00 14,50 15,00
Egito 9,25 9,25 8,25 8,25 11,50 9,00 9,00 10,00
Argentina 9,00 9,00 9,00 9,80 11,50 8,95 7,63 4,13
Brasil 9,00 11,00 10,75 8,75 13,75 11,25 13,25 18,00
Vietnã 9,00 9,00 8,00 8,00 8,50 8,25 8,25 8,25
Índia 8,00 8,50 6,25 4,25 6,00 7,00 7,00 6,25
Rússia 8,00 8,00 7,75 8,75 13,00 10,00 11,00 12,00
Bangladesh 7,75 7,25 5,50 4,50 8,75
Sri Lanka 7,75 7,00 7,25 7,50 10,50 10,50 10,00 8,75
Ruanda 7,50 7,00 6,00 7,50 8,00 9,00 9,00 9,00
Ucrânia 7,50 7,75 7,75 10,25 12,00 8,00 8,50 9,50
Hungria 7,00 7,00 5,75 6,25 10,00 7,50 8,00 6,00
China 6,56 6,56 5,56 5,31 5,31 7,29 6,12 5,58
Cazaquistão 6,50 7,50 7,00 7,00 10,50 11,00
Paraguai 6,25 7,25 4,50
Namíbia 6,00 6,00 6,00 7,00 10,50 10,50
Indonésia 5,75 6,00 6,50 6,50 9,25 8,00 9,75 12,75
Turquia 5,75 5,75 6,50 6,50 15,00 15,75 17,50 13,50
Islândia 5,50 4,75 4,50 10,00 18,00 13,75 13,30 9,97
África do Sul 5,50 5,50 5,50 7,00 11,50 10,50 8,50 7,00
Colômbia 5,25 4,75 3,00 3,50 9,50 9,50 7,25 6,00
Romênia 5,25 6,00 6,25 8,00 10,25 7,50 8,75 7,50
Chile 5,00 5,25 3,25 0,50 8,25 5,75 5,25 4,50
Polônia 4,75 4,50 3,50 3,50 5,00 5,00 4,00 4,50
México 4,50 4,50 4,50 4,50 8,25 7,50 7,00 8,25
Catar 4,50 4,50 5,55 5,55 5,55 5,55 5,55 5,10
Peru 4,25 4,25 3,00 1,25 6,50 5,00 4,50 3,25
Argélia 4,00 4,00 4,00 4,00 4,00 4,00 4,00 4,00
Filipinas 4,00 4,50 4,00 4,00 5,90 5,40 7,50 7,50
Austrália 3,75 4,25 4,75 3,75 4,25 6,75 6,25 5,50
Macedónia 3,75 4,00 4,11 8,50 7,00 4,77 5,74 8,52
Letónia 3,50 3,50 3,50 4,00
Tunísia 3,50 3,50 4,50 4,50 5,25 5,25 5,25
Coréia do Sul 3,25 3,25 2,50 2,00 3,00 5,00 4,50 3,75
Malásia 3,00 3,00 2,75 2,00 3,25 3,50 3,50 3,00
Marrocos 3,00 3,25 3,25 3,25 3,50 3,25 3,25 3,25
Tailândia 3,00 3,25 2,00 1,25 2,75 3,25 5,00 4,00
Israel 2,50 2,75 2,00 1,00 2,50 4,00 4,50 4,50
Nova Zelândia 2,50 2,50 3,00 2,50 5,00 8,25 7,25 7,00
Arábia Saudita 2,00 2,00 2,00 2,00 2,50 5,50 5,20 4,50
Taiwan 1,88 1,88 1,63 1,25 2,00 3,38 2,75 2,25
Lituânia 1,75 1,75 1,75 1,75 3,00 5,00 4,25 3,00
Bolívia 1,66 0,86 1,94 5,82 4,70 3,57 4,46
Noruega 1,50 1,75 2,00 1,50 3,00 5,00 3,25 2,25
Suécia 1,50 1,75 1,25 0,25 2,00 4,00 2,75 1,50
Canadá 1,00 1,00 1,00 0,25 1,50 4,25 4,25 3,00
Área do Euro 1,00 1,00 1,00 1,00 2,50 4,00 3,25 2,25
Emirados Árabes Unidos 1,00 1,00 1,00 1,00 1,50 4,25
República Checa 0,75 0,75 0,75 1,00 2,25 3,50 2,50 2,00
Dinamarca 0,70 0,70 1,05 1,20 3,75 4,25 3,75 2,40
Hong Kong 0,50 0,50 0,50 0,50 0,50 5,75 6,75 5,50
Reino Unido 0,50 0,50 0,50 0,50 2,00 5,50 5,00 4,50
Estados Unidos 0,25 0,25 0,25 0,25 0,25 4,25 5,25 4,00
Bulgária 0,14 0,22 0,18 0,55 5,77 4,58 3,26 2,05
Cingapura 0,03 0,02 0,13 0,01 0,06 0,13 2,75 1,56
Japão 0,00 0,00 0,00 0,10 0,10 0,50 0,25
Suíça 0,00 0,00 0,25 0,25 0,50 2,75 1,75 0,75

Inflação Brasil – Agosto 2011


A inflação oficial acumulada em 12 meses até agosto, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi de 7,23%; a maior em oito anos. De janeiro a agosto, o índice de preços teve avanço de 4,42%; em julho registrou-se uma alta de 0,16% enquanto em agosto, o indicador teve a alta de 0,37%.

Em 2003, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), havia registrado uma das maiores variações no mesmo intervalo, que foi de 15,07% pelo critério anualizado.

A situação coloca pressão no Banco Central quem definiu como meta de inflação oficial para 2011, o 4,5% com margens de dois pontos percentuais pra baixo ou cima. Entretanto Monetária (Copom), reduziu em 0,5 ponto percentual a taxa de juros Selic, de 12,5% para 12% ao ano.

O IPCA, calculado pelo IBGE, refere às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange nove regiões metropolitanas do País.

Impacto da inflação (Cálculo do índice do mês compara as variações de preços entre 28 de julho a 26 de agosto com os preços vigentes entre 29 de junho a 27 de julho):

  • Alimentos: em agosto atingiu 0,72% de variação causando impacto de 0,17 ponto percentual, o que representa 45% do índice referente ao mês passado. O produto que exerceu o maior impacto foi a carne (de -1,12% para 1,84%).
  • Artigos de residência: eletrodomésticos em geral de 0,03% para 0,57%, com destaque para refrigerador (de -0,29% para 3,29%) e máquina de lavar (de -1,58% para 3,18%).
  • Vestuário: artigos em geral de 0,10% para 0,67%, com destaque para roupas femininas (de -0,26% para 1,18%) e masculinas (de 0,19% para 0,75%).
  • Gastos habitação: em geral (de 0,27% de julho para 0,32% agosto), com destaque para aluguel residencial (de 0,46% para 1,06%) e com a taxa de água e esgoto (de 0,33% para 1,05%).
  • Salários dos empregados domésticos, de 1,26% para 0,72%.
  • Despesas com transportes: de 0,46%, em julho, para -0,11% devido à redução da gasolina, etanol, das tarifas aéreas, das tarifas dos ônibus interestaduais, dos preços do automóvel novo e usado, do seguro de veículos.

Imagem e dados do índice IPCA do IBGE

A maior variação foi registrada na região metropolitana do Rio de Janeiro com alta de 0,47% por causa do reajuste de 8,80 % ocorrido em agosto no valor das tarifas da taxa de água e esgoto e pelos alimentos; e a menor variação de preços no mês passado foi verificada em Porto Alegre, com 0,14%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) também calculado pelo IBGE, e que refere às famílias com rendimento de 1 a 6 salários mínimos e abrange nove regiões metropolitanas do País, variou 0,42% em agosto; o acumulado do ano está em 4,14% acima da taxa de 3,24% relativa a igual período de 2010. Nos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 7,40%, acima dos 12 meses imediatamente anteriores (6,87%).

A região metropolitana do Rio de Janeiro registrou a maior variação (0,66%) por causa do reajuste de 8,80 % ocorrido em agosto no valor das tarifas da taxa de água e esgoto e pelos alimentos; enquanto Curitiba apresentou a menor taxa (0,02%).

Imagem e dados do índice INPC do IBGE

Analistas reduzem a projeção de inflação para 2011


A projeção de analistas do mercado financeiro para a inflação oficial neste ano caiu pela sexta semana seguida. Segundo o boletim Focus, divulgado hoje (13) pelo Banco Central (BC), a estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desta vez, passou de 6,22% para 6,19%. Para 2012, houve alta na expectativa de 5,10% para 5,13%.

INF6

O boletim Focus é uma publicação semanal, elaborada pelo BC com base em estimativas para os principais indicadores da economia.

A meta de inflação, que deve ser perseguida pelo BC, é de 4,5%, com margem de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Quando o BC considera que a economia está muito aquecida, com trajetória de inflação em alta, a taxa básica de juros, a Selic, é elevada.

Na avaliação dos analistas, a taxa Selic deve encerrar 2011 em 12,50% e no próximo ano em 12,25% ao ano.

Mais

Hábitos para driblar preços


O Índice IBGE para 2010 foi o mais alto dos últimos seis anos. Analista destaca que brasileiro não tem o hábito de poupar. Vários clientes de um supermercado se viram obrigados a buscar alternativas para fazer a compra caber no orçamento da casa.

O professor Mauro Dunder, de 37 anos, passou a morar sozinho há dois anos e, desde então, incluiu as idas ao supermercado na sua rotina. “Os preços subiram bastante. Compro sempre as mesmas coisas e estou gastando muito mais”, diz.

Mais

Alta de 5,91% e o maior nível em 6 anos


Segundo o IBGE, 40% do total do IPCA foi originado da inflação dos alimentos. Medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação fechou 2010 com uma taxa acumulada de 5,91%, a mais forte elevação para este indicador desde 2004, quando o índice subiu 7,6%.

O indicador ficou acima do centro da meta estipulada pelo Banco Central, de 4,5%. Em 2009, o IPCA subiu 4,31%. As informações foram divulgadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado anual veio dentro do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que iam de 5,84% a 5,93%, e acima da mediana, de 5,88%. O IPCA é o índice oficial utilizado pelo BC para cumprir o regime de metas de inflação, determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

No resultado mensal, o indicador subiu 0,63% em dezembro de 2010, após avançar 0,83% em novembro. A taxa do mês passado ficou perto do teto do intervalo das estimativas dos analistas consultados (0,56% a 0,65%), e acima da mediana, de 0,59%.

A perda de força na inflação do grupo alimentação e bebidas, que passou de 2,22% para 1,32% entre novembro e dezembro do ano passado, foi a principal causa para a desaceleração do IPCA no mesmo período. Segundo o instituto, produtos que haviam impactado novembro com altas expressivas tiveram resultados mais moderados no mês seguinte. No resultado anual, contudo, os alimentos foram os vilões da inflação.

No caso das carnes, a alta no preço deste tipo de produto passou de 10,67% em novembro para 2,25% em dezembro. O item refeição em restaurante foi a principal contribuição ao IPCA do mês passado. Os preços das refeições fora de casa subiram 1,98% em dezembro ante alta de 1,40% em novembro e contribuíram com 0,09 ponto porcentual na formação do IPCA do último mês de 2010.

No entanto, mesmo em menor ritmo de crescimento, o grupo alimentação e bebidas teve 0,31 ponto porcentual de contribuição, o que correspondeu a 49% do IPCA de dezembro.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) desacelerou a alta para 0,60% em dezembro do ano passado, após avançar 1,03% em novembro, segundo também informou o IBGE. Ainda segundo o instituto, o INPC fechou o ano de 2010 com taxa de 6,47%, após subir 4,11% em 2009. O INPC é calculado pelo IBGE desde 1979 e abrange famílias com renda entre um e seis salários mínimos.

São Paulo registra maior inflação desde 2004


Recém com o índice de janeiro chegará o reajuste feito no setor dos transportes em São Paulo, ônibus e táxis. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que mede a inflação só na cidade de São Paulo, registrou alta de 6,40% no acumulado de 2010 virando a maior elevação desde 2004, quando a taxa de inflação alcançou a 6,56%, segundo as informações da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Em 2009, o índice paulistano ficou em 3,65%.

Dentre os setores que apresentaram elevações de preços de 2009 a 2010, Alimentação e Transportes se destacam, com seus índices passando de 1,81% para 12,20%, e de 1,74% para 7,06%, respectivamente. Para o coordenador do IPC, Antonio Evaldo Comune, a forte alta dos alimentos foi influenciada pelo aumento nos preços de commodities, como açúcar e trigo, devido a problemas climáticos, além da variação de 34% no preço da carne bovina no ano passado. Mais

ANALYTICS_CODE